Movimentos sociais acompanham Lula em depoimento nesta quarta

POR NOCAUTE 13 DE NOVEMBRO DE 2018

Lula depoimento
.

Movimentos sociais convocam militantes e população em geral para acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (14) em Curitiba. Será a primeira vez que o ex-presidente falará oficialmente desde que foi preso, há sete meses. Ele depõe à juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro na Lava Jato, no caso que investiga o recebimento de supostas “vantagens indevidas das construtoras Odebrecht e OAS”, por meio de reformas em um sítio em Atibaia (interior de São Paulo), cuja propriedade lhe é atribuída.

A mobilização é coordenada pelo Comitê Nacional Lula Livre, composto pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e outros movimentos sociais. A concentração está marcada para a partir das 12h no acampamento Vigília Lula Livre, nos arredores da sede da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula está preso, e também próximo ao Tribunal Regional Federal (TRF-4), local onde dará o depoimento, a partir das 14h.

A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann, disse que é preciso “ter muita gente mobilizada” para acompanhar o depoimento do ex-presidente. Sobre o sítio de Atibaia, ela disse se tratar de “outra mentira mal contada”. “O sítio não é do Lula, o sítio não tem nada a ver com ele. É cada coisa absurda que a gente vê nesses processos.”
A defesa de Lula diz que depoimento prestado pelo empresário Fernando Bittar nesta segunda-feira (12) não deixa qualquer dúvida de ele, e não o ex-presidente, é o proprietário de fato e de direito do sítio de Atibaia.
O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, disse, após visita à vigília Lula Livre, nesta segunda-feira (12), que “quem está preso não é o Lula, pessoa física. Quem está presa é a esquerda brasileira, é a classe trabalhadora brasileira. O companheiro Lula só está preso porque é a simbologia maior de tudo isso”, afirmou.
“Vamos reforçar o time aqui em Curitiba. Nossa ideia é que tenha no mínimo uns 500 companheiros aqui, outros 500 na Justiça Federal. Não vamos deixar o companheiro Lula ir sozinho. Ele tem de sentir que atrás dele tem a classe que ele representa. Vai ser a primeira vez que ele vai ter a oportunidade de falar com o povo brasileiro”, completou Stédile.
*Do Rede Brasil Atual


Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho