“Minas e Rio foram prioridade máxima”, diz cientista político sobre escândalo do WhatsApp com Bolsonaro

DCM -19/10/2018

Alberto Carlos Almeida. Foto: Reprodução/YouTube

Do perfil de Facebook do cientista político Alberto Almeida, autor do livro “A Cabeça do Brasileiro”:
Hipótese mais razoável a ser investigada. Com inteligência a campanha de Bolso põe em segundo plano o NE, por ser terreno do PT, o Sul, por ser Bolso, e N e C-O por terem poucos eleitores.
As prioridades foram SP, MG e RJ. O primeiro para dep federal (dep estadual foi bônus) e os dois últimos para todos os cargos. MG e RJ foram prioridade máxima, porque SP já não votava PT. Rio mais importante que MG por causa da candidatura de seu filho ao Senado e por ser sua base principal.
A hipótese pode ser testada investigando-se os prefixos dos números de celular.

Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho