Nassif: Barroso e Cristovam no reino da hipocrisia

.
por Luis Nassif - no GGN - 11/08/2018

Augusto Nardes, o Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), relator do inquérito sobre as tais pedaladas, foi acusado de receber R$ 100 mil por mês dos esquemas de corrupção da Petrobras, que Dilma Rousseff tentou enfrentar.
A seção Radar, da Veja, informa que o desembargador João Pedro Gebran Neto admitiu a familiares que agiu fora da lei, ao desautorizar a decisão do juiz de plantão. Mas que sua intenção foi evitar o “mal maior”, da libertação de Lula. Esse era o mesmo álibi ao qual recorriam os torturadores do período militar para justificar suas brutalidades.

No entanto, mais uma vez o diáfano Ministro Luís Roberto Barroso repetiu sua cantilena de fé no futuro do país. Disse que em seus tempos de estudante combatia-se a tortura e a censura. E, agora, combate-se a corrupção “dentro da lei”. É o chamado reinado da hipocrisia.
Para justificar sua visão poliana, analisa o país da Constituinte até hoje e comemora o fato de um dos feitos nacionais ter sido o da inclusão social. Trata-se de malandragem retórica. Há um país em construção da Constituinte até o golpe. E políticas de inclusão social que foram consolidados em regime democrático.
A outra etapa do país, pós-golpe, se caracteriza pela destruição das políticas sociais, das redes de proteção social e dos direitos individuais.
Mas Barroso, que defendeu com unhas e dentes a Lei do Teto, que jamais deblaterou contra os cortes na saúde e na educação, votou a favor do reajuste de 16% dos Ministros do Supremo. Indagado sobre esse contrassenso, explicou que a votação se refere exclusivamente ao Supremo e não ao Judiciário como um todo. Ótimo! Qual a razão, então, das associações de magistrados comemorarem o feito?
Ontem mesmo, o Ministério Público Federal anunciava o reajuste dos salários, sem mexer no orçamento. Ou seja, será à custa da redução dos serviços jurisdicionais.
Não leva o campeonato de hipocrisia porque à sua frente está o campeoníssimo Cristovam Buarque. Em seu Twitter, Cristovam – que votou a favor da Lei do Teto - dizia que o MPF, em vez de dar aumento de salários com contenção de despesas, deveria usar a contenção para garantir as bolsas estudantis.

Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho