Francisco Louçã: Ulisses volta à Grécia

Coitado de Ulisses, ainda tem que remar muito para se ver livre de quem oprime a sua terra. Uma década de sacrifício, mas a dívida continua em 188,6% do PIB.

Imagem relacionada
.
por Francisco Louçã - no esquerda.net - 08/08/2018

Depois da austeridade sob a égide da sua troika, anuncia-se agora para a Grécia a triunfante salvação: nestes dias termina o terceiro plano de resgate. Escreve Pierre Moscovici que, “como Ulisses de regresso a Ítaca, a Grécia chega por fim ao seu destino, dez anos depois de uma longa recessão. Pode por fim respirar”. A elegia é gongórica e era preferível reconhecer a realidade.

Um triunfo orçamental e a crise social
As contas estão resplandecentes: o objetivo do saldo primário era 2% em 2017 e foi de 4,2%. O problema é que neste caso o saldo, que mede a capacidade de pagar a dívida, demonstra o mau uso dos recursos públicos, que é desviado da resposta às necessidades sociais e o Tribunal de Contas Europeu acrescenta que a conta pode estar errada, dado que “a Comissão Europeia estabeleceu projeções macroeconómicas separadas das orçamentais e não as integrou num único modelo”. O FMI, por outro lado, desde há dois anos que escreve que não se deve manter a longo prazo um saldo primário desta ordem. Pode-se, mas implica destroçar a vida social.
Os efeitos desta década sofrida são já facilmente verificáveis: 43% das famílias não têm meios para pagar o aquecimento no inverno, 53% não poderiam fazer face a um gasto imprevisto de 500 euros, metade não pode ir de férias, 60% das pessoas estiveram no desemprego mais de dois anos, um terço da população entre 15 e 29 anos abandonou o país. Resta o turismo, a única exportação em crescimento, que garante cerca de um quarto do emprego total. Não se produz, não há trabalho, os serviços públicos não funcionam. Ulisses regressou a Ítaca?
Esqueceu-se da dívida?
Uma década de sacrifício, mas a dívida continua a 188,6% do PIB (a promessa é reduzi-la para 96,8% em 2060), quase toda a instituições (só 40 de 294 mil milhões estão em fundos privados e pessoas). E esse é o problema, são precisamente esses credores que quiseram fazer da Grécia um exemplo da subjugação política de um Governo que tinha sido eleito para reestruturar a dívida.
Klaus Regling, diretor-geral do Mecanismo Europeu de Estabilidade, num discurso perante a Associação Grega de Bancos, a 12 de junho, não escondeu o cinismo ao “felicitar o povo grego e os seus dirigentes políticos pela conclusão do vosso programa: é importante para a Grécia e também para a instituição que é o seu principal credor”, ou seja, para si próprio. Acrescentou logo: “Permitam-me que diga ao mesmo tempo que o acesso da Grécia aos mercados continua a ser delicado. Reencontrar a confiança dos investidores implica dar provas de um compromisso total a favor das reformas, mas mesmo isto poderia não bastar no caso da Grécia.”
Perguntado numa entrevista se a dívida é sustentável, Regling responde que não, exigindo medidas a longo prazo, repetindo a litania: “As reformas são uma tarefa permanente. Não acabam nunca.” Por isso, “a vigilância deve durar enquanto se prolongar o reembolso”. Até 2060, pergunta o entrevistador? “Sim. Ficaremos até ao prazo final.” Haverá mesmo um “reforço da vigilância” com uma “avaliação a cada três meses” e isto “durante um certo número de anos”.
Esta ameaça foi repetida pelo Eurogrupo de 22 de junho, que prevê o exame em 2032 sobre a necessidade de medidas suplementares, para verificar se “os compromissos são cumpridos e se não há reversão das importantes reformas que são necessárias para levar a Grécia a um rumo de crescimento mais elevado”. Ítaca, então? Coitado do Ulisses, ainda tem que remar muito para se ver livre de quem oprime a sua terra.

Sobre o/a autor(a)

Professor universitário. Ativista do Bloco de Esquerda.

Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho