quarta-feira, 18 de julho de 2018

Eleições: ‘O óbvio será cada vez mais profetizado’, lembra Alberto Almeida

Disputa não é igual futebol
                                                                                        Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
Há muita gente falando sobre as chances de o PT ir para o segundo turno, diz Alberto Almeida.
ALBERTO CARLOS ALMEIDA - NO PODER 360 - 18.jul.2018

Nota-se na mídia, aqui e acolá, a admissão de que o PT é o favorito para vencer a eleição presidencial. O que não se falava até pouco tempo atrás, coisas como a força eleitoral de Lula, mesmo preso, passou a ser abertamente tratado por meio de entrevistas de especialistas ou colunas de jornalistas especializados em acompanhar a política.

Recentemente o ministro do STF Gilmar Mendes afirmou se tratar de um enigma a elevada popularidade de Lula, sua intenção de voto, mesmo estando condenado e cumprindo pena. Uma das maiores evidências da força de Lula foi a visita que recebeu de vários senadores do MDB, dentre os quais Renan Calheiros e Roberto Requião.

Há mais evidências da força do PT na futura eleição presidencial, uma delas é a dificuldade que Bolsonaro e Geraldo Alckmin têm tido de obter o apoio de partidos que tradicionalmente vão na direção que sopra o vento eleitoral. PP, PR e outros partidos do “Centrão” preferem estar no time vencedor.
Nas eleições passadas, menos confusas, sem crise econômica e Lava Jato, era mais fácil obter-se o consenso interno acerca de quem tinha mais chances de ganhar. Hoje isso não é tão simples.
Lula está preso, e sua capacidade de transferência de votos pode ser questionada por algum possível apoiador, o PSDB tem tido dificuldade de fazer o seu candidato crescer no próprio estado que governou, e Bolsonaro não consegue alguém para compor sua chapa nem mesmo dentro do oficialato do exército.
De fato, a decisão em um cenário desses é muito complicada.
Disse uma vez Nelson Rodrigues que só os profetas enxergam o óbvio. O óbvio ajuda a resolver o enigma de Gilmar Mendes. A força eleitoral de Lula tem a ver com a vontade do eleitorado de votar em um candidato de oposição ao governo. Essa vontade vem desde o início do segundo Governo Dilma.
O gráfico com os resultados para a pergunta de intenção de voto de segundo turno, do Datafolha, revela que em novembro de 2015 o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, venceria Lula. Naquele momento Dilma era presidente, mal avaliada. Votar em Alckmin era votar na oposição, na mudança. Porém, veio o impeachment e o nome próprio do que era oposição mudou, deixou de ser PSDB e Alckmin e passou a ser PT e Lula.
O impeachment trocou o ocupante do poder, da Presidência, e a partir daquele momento o PSDB passou a ser governo e o PT oposição. O eleitorado não mudou em nada, continuou votando majoritariamente no candidato que representa a mudança.
Pode-se ver no gráfico que a cada nova pesquisa Lula foi subindo, pois foi sendo gradativamente reconhecido como oposição, e Alckmin foi caindo na mesma medida em que os eleitores o passaram a ver como governo. Desde novembro de 2017, segundo a pesquisa do Datafolha, nada muda: Lula tem em torno de 50% dos votos totais e Alckmin em torno de 30%, é uma vantagem considerável.
PT e PSDB têm obstáculos importantes pela frente. Não está claro quem será o candidato do PT, se Lula ou, em caso de impedimento jurídico, algum outro líder do partido. Se for essa última opção haverá uma passagem de bastão, que faz parte desse obstáculo político e de comunicação.
O PSDB e Alckmin precisam ultrapassar Bolsonaro, o que demandará uma campanha negativa, isto é, de ataque contra o candidato que hoje lidera as intenções de voto no Estado de São Paulo. Não se sabe se o ataque terá sucesso, se tiver, é impossível dizer quando isso ocorrerá e que sequelas eleitorais deixará.
Afinal, Bolsonaro é mais visto como de oposição do que Alckmin, e isso pode motivar futuros ex-eleitores de Bolsonaro a votarem no candidato do PT. Esse grupo pode ser pequeno, mas dada a atual vantagem do voto oposicionista dificultaria ainda mais a vida eleitoral de Alckmin.
Políticos, empresários, o mercado financeiro e os formadores de opinião terão que lidar cada vez mais, na medida em que a eleição se aproximar, com o favoritismo do PT. Há dois meses ninguém admitia nada próximo disso. Agora já há muita gente falando sobre as chances de o PT ir para o segundo turno. Em breve haverá mais gente apontando o favoritismo também no segundo turno.
Sabemos que nem sempre os favoritos vencem. Porém, sabemos também que eleição não é, em um determinado aspecto, uma partida de futebol. Nesta o papel do acaso pode ser determinante quando os dois times são de um mesmo nível. Eleição é resultado de movimentos de opinião pública, que são bem mais rígidos que táticas de futebol. Por isso, o óbvio será cada vez mais profetizado.
Postar um comentário