quinta-feira, 19 de julho de 2018

Centrão mais próximo de fechar apoio a Alckmin na disputa ao Planalto

Sindicato de partidos leiloa apoio
Josué Alencar é cotado para vice
                                                                                                       Sérgio Lima/Poder360.
.
PODER360 - 19.jul.2018 - 21h35 - atualizado 22h18

O grupo de partidos do autodenominado Centrão está próximo de fechar o apoio ao pré-candidato a presidente pelo PSDB, Geraldo Alckmin.
Representantes de siglas como DEM, PP, PRB, Solidariedade, Avante e PR reuniram-se nesta 5ª feira (19.jul.2018) com o tucano em São Paulo.
Integrantes dessas siglas se dividem a respeito de quem apoiar. Além de Alckmin, há quem defenda as candidaturas de Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT) e Alvaro Dias (Podemos).
Ocorre que neste momento os caciques do Centrão estão mais propensos a ceder o apoio –no caso, o tempo de TV na propaganda eleitoral– para Alckmin. Essas legendas são muito centralizadas. Os dirigentes nacionais mandam nas seções regionais, que quase sempre são provisórias e não têm autonomia. Nesse ambiente, o que a cúpula decide é seguido pelos demais.

Se vigar o apoio a Alckmin, o anúncio deverá ser feito na próxima semana, possivelmente no dia 26. O prazo para formação de alianças acaba no dia 5 de agosto, quando se encerra o período reservado para convenções partidárias.
O grupo sugeriu a Alckmin adotar como vice o dono da Coteminas, Josué Alencar, filho do ex-vice-presidente da República José Alencar (1931-2011). O empresário da Coteminas é filiado ao PR.
Há 3 fatos curiosos nessa oferta de Josué Gomes para ser o candidato a vice-presidente na chapa de Alckmin
  • empresário em silêncio – Josué nunca disse em público que gostaria de ser candidato a vice de Alckmin. Nos bastidores, sinalizou sempre a respeito de ser vice de Ciro Gomes ou de fazer uma composição com o PT;
  • interlocutor único – tudo o que se sabe publicamente de Josué é por intermédio do chefe do PR, o ex-deputado e condenado pelo mensalão Valdemar Costa Neto, que passa os informes a seus colegas do Centrão;
  • aliança diferente da do pai – se realmente vingar a chapa Alckmin-Josué, o empresário estará se aliando a 1 partido político, o PSDB, que chama diariamente de corrupto o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que teve o pai do empresário por 8 anos como vice-presidente.
Uma vez confirmada a aliança do Centrão pró-PSDB, essa manobra fortalece a campanha de Alckmin do ponto de vista formal. O objetivo é juntar recursos, capital político e tempo de TV para lançar 1 nome capaz de se destacar no atual cenário de grande pulverização.
O anúncio está sendo adiado por causa do racha entre as legendas do bloco. O PRB pede apoio a Geraldo Alckmin. O Solidariedade prefere Ciro Gomes. No DEM e no PP, há alas divididas entre os 2 pré-candidatos. Em inúmeros deputados avulsos preferem Jair Bolsonaro (PSL).
Nesta 4ª, o PTB foi a 1ª sigla a decidir em Executiva Nacional o apoio a uma candidatura, a de Alckmin.
Postar um comentário