Aécio colhe o que plantou: de golpista a pária, busca refúgio em mandato na Câmara

REUTERS/Ueslei Marcelino
.
por Mauro Lopes - no 247 - 18/07/2018

A trajetória de Aécio Neves é um exemplo de como alguém consegue em pouco tempo e por um gesto movido a ressentimento, jogar sua biografia na lata de lixo. Pode parecer inacreditável hoje, mas o político mineiro, neto de Tancredo Neves, teve mais de 51 milhões de votos no segundo turno das eleições presidenciais há quatro anos e parecia fortíssimo concorrente à sucessão de Dilma em 2018. Em vez de tornar-se o líder da oposição ao governo do PT, lançou-se na aventura de comandar o golpe de 2016; o golpe foi bem sucedido, mas abriu uma crise brutal no país e Aécio, identificado pela população como responsável pela trama e símbolo da corrupção na política, tornou-se um pária.

De virtual líder de uma coligação para concorrer contra o PT em 2018, Aécio divide-se hoje entre as alternativas de deixar a vida política ou refugiar-se num mandato de deputado federal na Câmara dos Deputados. O algoz de Dilma vê a ex-presidente como favorita às eleições ao Senado no Estado natal de ambos, de onde ela saiu perseguida pela ditadura militar. Perseguida pela ditadura de 1964 e pelo golpe de 2016, volta consagrada à sua Minas Gerais, admirada no país e no exterior, convidada a participar de relevantes fóruns internacionais, enquanto Aécio contenta-se com encontros furtivos com outro pária, Michel Temer.

A derrocada de Aécio tem local, dia e horário de seu início delimitados. Começou exatamente às 19h32, noite de 26 de outubro de 2015, no apartamento de sua irmã, Andréa, em Belo Horizonte. Foi o momento em que, cercado por amigos, amigas, tucanos, tucanas políticos aliados e os puxa-sacos típicos deste momento, assistiu na TV o anúncio de que tudo estava perdido, a derrota para Dilma estava consumada.

É raro que isto aconteça, mas este momento foi registrado numa foto histórica:

aécio neves anúncio da derrota luciano huck apuração
.
Ladeado pelo então presidente do DEM, senador Agripino Maia, e com seu "amigo do peito" Luciano Huck logo atrás, os três e os circunstantes assistem, na foto, já em clima de velório, o anúncio oficial: com 95% dos votos apurados, a reeleição de Dilma estava selada. 

Apenas dois minutos antes, às 19h30, haviam sido estouradas champanhes depois que Aécio recebera um telefonema assegurando-lhe a vitória. A expressão de um Aécio enlutado, humilhado diante de plateia depois da festa prematura pela vitória afinal abortada, entrou n'alma do político que, a partir daquela noite, considerando-se "roubado" (apesar de legitimamente derrotado nas urnas) começou a fermentar o golpe de Estado.

Uma espécie de maldição caiu sobre os três personagens mais conhecidos da foto histórica.

Aécio tornou-se no que se vê hoje. Mesmo com o cordão de proteção da elite do Judiciário em torno de si, é réu em uma ação no STF que apura os crimes de corrupção passiva e obstrução de Justiça no episódio em que arrancou R$ 2 milhões de Joesley Batista e investigado em inquéritos derivados da Operação Lava Jato e oscila entre a aposentadoria aos 58 anos e, no máximo, a uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Agripino Maia responde a quatro inquéritos no STF, sendo réu em dois deles. Há poucos dias, anunciou sua desistência em concorrer à reeleição ao Senado no Rio Grande do Norte, disputando uma vaguinha na Câmara dos Deputados e obrigado a dar uma cotovelada no próprio filho, Felipe Maia, que não disputará a reeleição para dar uma forcinha ao pai.

Luciano Huck foi abatido em peno voo quando imaginava-se já comandando seu caldeirão no Palácio do Planalto, distribuindo benesses e contratos aos amigos, numa versão caricata de Berlusconi -o que é um desafio quase hercúleo, pois o político italiano é ele mesmo uma figura caricata.

O golpe derrubou Dilma e prendeu Lula. Mas ela é favorita a uma vaga no Senado; e Lula vencerá as eleições presidenciais de 2018, provavelmente já no primeiro turno, se as elites nacionais não conseguirem tirá-lo da disputa. Ambos são admirados no Brasil e no exterior, citados por presidentes, primeiros-ministros, parlamentares, lideranças políticas e sociais em todo o planeta como referências de governo democrático e de inclusão econômica, social, cultural e política dos mais pobres.  

A Aécio sobrou esconder-se pelos cantos e encontrar-se clandestinamente com seu parceiro Michel Temer.        

Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho