sábado, 12 de maio de 2018

Alastair Crooke: 'O maior player na história do mundo'

1/5/2018, Alastair Crooke, Strategic Culture Foundation

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu
Postado por 

John Mauldin conta historieta altamente pertinente, que tem a ver com a China:

"Nos idos anos 1990s, Robert Rubin, um dos secretários do Tesouro do governo Bill Clinton, estava negociando as condições para a China ser admitida na Organização Mundial do Comércio. Minhas fontes dizem que Rubin exigia então basicamente muitas dessas coisas que Trump quer agora ... Mas em 1998, em pleno escândalo Monica Lewinsky, Clinton queria um "gol de placa" (no que coincide com o atual presidente.) E Rubin não estava conseguindo nada, agarrado firmemente às próprias exigências de acesso ao mercado chinês e garantias sobre propriedade intelectual, etc. Clinton então tirou Rubin das negociações com os chineses e entregou-as à secretária de Estado Madeleine Albright, com instruções para que desse jeito naquilo.


Albright não é especialista em comércio internacional e não compreendia as questões subjacentes. Os chineses rapidamente perceberam que ela estava jogando com cartas muito ruins, e fincaram pé. Resumo da ópera, minhas fontes contam que ela realmente naufragou. Entregou tudo. Mas Clinton conseguiu seu "gol de placa", e os EUA afundamos num péssimo acordo comercial. Quando Trump diz que estamos numa sinuca de bico, encurralados num acordo muito ruim, ele está certo – embora eu não possa garantir que ele compreenda o que se passa. Talvez alguém lhe tenha feito um resumo do contexto, mas, se aconteceu assim, nenhuma compreensão clara jamais transpareceu em qualquer de seus discursos. Aquele acesso à Organização Mundial do Comércio que Albright entregou aos chineses e que finalmente se consumou em 2001, liberou a China para começar a capturar mercados por meios perfeitamente legais, com acesso a propriedade intelectual dos EUA sem precisar pagar…



Faz alguma diferença hoje? Provavelmente, nenhuma (...). Mas leva à rivalidade que discutimos antes. É possível para ambos, EUA e China, permanecerem lado a lado numa organização como a OMC? Trump parece duvidar, e até já ameaçou retirar-se da OMC. É possível que nós, algum dia, rememoremos o atual período, de um único corpo governando todo o comércio internacional, como uma aberração — um sonho agradável, que nunca foi viável. Se é isso, se preparem para grandes mudanças."


Assim se vai logo ao 'x' de uma das maiores questões geopolíticas que Europa e EUA enfrentam hoje. Mauldin nos oferece então a ideia em grande parte consensual, de que "apesar de parte de sua retórica, não creio que [Trump] seja ideologicamente contra o comércio. Acho que ele só quer um 'gol de placa' para os EUA e é flexível quanto a o que isso signifique". Sim, muito possivelmente, Trump terminará 'dando uma de Clinton'. Mas que alternativa realista têm os EUA, além de se acomodarem a uma China ascendente?


O mundo mudou (...) O mundo mudou desde aqueles anos Clintons: hoje já não há simples pancadaria que decida os termos do comércio.



Xi Jinping está no ponto mais alto, no ápice do sistema político chinês. Sua influência infiltra-se em todos os níveis. É o mais poderoso líder chinês desde o Grande Timoneiro Mao. Kevin Rudd (ex-primeiro-ministro da Austrália e especialista que há muitos anos dedica-se a estudar a China) observa que "nada disso é para quem tenha coração fraco (…) Xi cresceu dentro da política do partido chinês como é feita nos mais altos níveis. Do pai, Xi Zhongxun (...) o hoje presidente da China recebeu uma masterclass não apenas de como sobreviver nessas paragens, mas também de como crescer e governar dentro desse ambiente. Por essas razões ele já é, comprovadamente, o mais formidável político de sua geração. Conseguiu antever, evitar, contornar, esvaziar e afinal remover cada um de seus adversários políticos. A expressão erudita para isso é consolidação do poder. Nisso, Xi com certeza foi muito bem-sucedido."



E aqui está o busílis: o mundo que Xi antevê é absolutamente incompatível com as prioridades de Washington. Xi não é apenas mais poderoso que qualquer outro governante chinês, exceto Mao. Ele também sabe que é e está decidido a deixar sua marca na história do mundo, marca que equivale, e até ultrapassa, à que Mao deixou.



Lee Kuan Yew, que até morrer em 2015 foi o mais sensível observador mundial da China, tinha resposta afiada sobre a espantosa trajetória da China nos últimos 40 anos: "A extensão do deslocamento no equilíbrio mundial causado pela China é de tal magnitude, que o mundo precisará encontrar novo equilíbrio. Ninguém pode fingir que se trata apenas de mais um grande player. A China é o maior player na história do mundo."



O ano de 2021, marca o centenário da Fundação do Partido Comunista Chinês, e é visível que Xi trabalha para que em 2021 a China já ostente com glória as realizações das próprias metas do primeiro centenário. Até lá, a China espera ser a economia mais poderosa do mundo (já é – se se considera a paridade do poder de compra), e potência de categoria mundial emergente – em termos políticos e em termos militares. 



Segundo Richard Haas, presidente do Conselho dos EUA para Relações Exteriores [ing. US Council for Foreign Relations], "a ambição de longo prazo [da China] é desmantelar o sistema de alianças dos EUA na Ásia, substituindo-o por uma ordem de segurança regional mais benigna (na avaliação de Pequim), na qual a China tem o lugar de honra, e, idealmente, uma esfera de influência comensurável com o seu poder". (No mínimo, Haas pode estar só contando, da missa, a metade).



Para alcançar o primeiro dos dois objetivos do centenário (o segundo está previsto para 2049), a China tem uma grande vertente econômica, uma vertente econômica/política, e uma vertente política/militar para alcançar suas metas.



Made in China 2025 é uma política industrial ampla, que está recebendo financiamento massivo para pesquisa e desenvolvimento ($232 bilhões em 2016), incluindo um uso potencial explícito duplo, de integração na inovação militar. Seu principal alvo, além de aumentar a produtividade, é fazer da China o país tech-líder mundial; e conseguir que a China torne-se 70% autossuficiente em materiais e componentes chaves. 



É possível que seja ideia já bem divulgada em teoria, mas é possível também que esse movimento em busca da autossuficiência que se vê hoje na China e na Rússia sugira outro projeto, mais resoluto. Esses dois estados estão-se afastando do modelo de comércio liberal clássico, em direção a um modelo baseado na autonomia, em economia comandada pelo Estado (como pregavam economistas como Friedrich List, antes de serem eclipsados pela prevalência do pensamento de Adam Smith).



O segundo braço da política é a famosa Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE), para ligar a China à Europa. O elemento econômico desse projeto é sempre degradado no Ocidente como 'reles infraestrutura' – embora em escala gigante. Mas a concepção da ICE representa ataque direto ao modelo econômico super financeirizado ocidental. 



Em crítica que ganhou fama contra o muito que a China depende do crescimento à moda ocidental movido a dívidas – autor anônimo (que se supõe ter sido o próprio Xi, ou seu companheiro próximo), observou (com sarcasmo) que não se pode cultivar grandes árvores 'no ar'.  Significa dizer que árvores têm de ter raízes e têm de se firmar no solo. Em vez da 'atividade' financeirizada, 'virtual' do ocidente, atividade econômica real brota da economia real, com raízes plantadas no chão. A Iniciativa Cinturão e Estrada é apenas isso: quer ser formidável catalisador com ação sobre a economia real.



O aspecto político, claro, é evidente: criará um bloco imenso (Remimbi) de negócios e influência, e esse bloco, porque tem raízes em terra, deslocará o poder estratégico para longe da dominação ocidental sobre-os-mares, e para rotas terrestres sobre as quais o poder militar ocidental convencional é limitado. Do mesmo modo, transferirá o poder financeiro para longe do sistema dólar de reserva, para o sistema Remimbi e outras moedas.



O outro aspecto, que tem recebido muito menos atenção, é o modo como Xi conseguiu mesclar seus objetivos e os objetivos da Rússia. Cauteloso inicialmente quanto ao projeto 'Cinturão e Estrada' quando Xi o lançou em 2013, o Kremlin abraçou a ideia logo no dia seguinte do golpe ocidental contra seus interesses na Ucrânia, e ante o projeto conjunto EUA-Arábia Saudita para derrubar o preço do petróleo (os sauditas tentavam pressionar a Rússia para que abandonasse Assad; e os EUA queriam enfraquecer o presidente Putin, enfraquecendo o rublo e as finanças do governo).



Assim foi que, em 2015, o presidente Putin promoveu a aproximação entre a União Econômica Eurasiana, da Rússia, e o Cinturão Econômico da Rota da Seda, da China. Dois anos depois, Putin foi convidado de honra da cúpula "Um Cinturão, Uma Estrada", reunida em Pequim.



Interessante é como a Rússia integrou a visão de Xi no próprio pensamento russo de uma "Eurásia Expandida", concebida como antítese essencial de uma ordem mundial financeirizada liderada pelos EUA. O Kremlin, claro, compreende muito bem que, no reino do comércio e da finança, a posição da Rússia na Eurásia é muito mais fraca que a da China. (A economia chinesa é 8-10 vezes maior que a economia russa.)



As forças cruciais da Rússia estão tradicionalmente nos domínios político-militar e diplomático. Daí que, deixando as iniciativas econômicas para a China, Moscou anseia pelo papel de arquiteto-chefe da segurança e da política da Eurásia, um concerto de potências asiáticas, produtoras de energia.



O presidente Putin encontrou, em certo sentido, a simetria e a complementaridade russas à política de 'estrada e corredor' de Xi (um equilibrador russo assimétrico, se preferirem, à força crua da economia de Xi) em sua política de 'Um Mapa, Três Regiões'. Bruno Maçães escreveu:


"Em outubro de 2017, o presidente executivo da Rosneft Igor Sechin tomou a iniciativa pouco usual de apresentar um relatório geopolítico dos "ideais da integração da Eurásia", a um público reunido em Verona, Itália. Um dos mapas projetados na tela durante a apresentação mostrava o supercontinente – que círculos russos chamam de "Eurásia Expandida" – dividido em três grandes regiões. Para Sechin, a divisão crucial não é entre Europa e Ásia, mas em regiões que consomem energia e regiões que produzem energia. As regiões consumidoras estão distribuídas nas franjas ocidental e oriental do supercontinente: Europa, incluindo a Turquia, e o Pacífico Asiático, incluindo a Índia.


Entre uma e outra, estão as três regiões que produzem energia: Rússia e o Ártico, o Cáspio, e o Oriente Médio. Interessante é que o mapa não dividiu ou separou essas três regiões: são mostradas só com uma linha que circula as três juntas. São áreas contíguas, formando um único bloco, pelo menos de um ponto de vista puramente geográfico."




O mapa, Maçães notes, "ilustra um ponto importante sobre a nova autoimagem da Rússia. Do ponto de vista da geopolítica da energia, Europa e Pacífico Asiático são perfeitamente equivalentes, garantindo fontes alternativas de demanda para recursos de energia (...) E, se se consideram as três áreas [que o marca delimita em bloco], é visível que duas delas já são governadas e organizadas por ator protagonista: a Alemanha, no caso da Europa; e a China, para o Pacífico Asiático".


É dessa perspectiva que se tem de compreender o renovado interesse e a intervenção da Rússia no Oriente Médio. Ao consolidar as três regiões produtoras de energia sob sua própria liderança, a Rússia pode ser tomada como verdadeiramente equivalente à China, no trabalho de modelar o novo sistema eurasiano. O interesse dos russos está, mais decisivamente, em organizar uma vontade política comum para a região núcleo da produção de energia, recuperando assim 'velhos anseios' quanto a ser 'parte da Europa'.



E 'vontade política' também é projeto de Xi: enquanto a Revolução Cultural de Mao tentou varrer todo o passado ancestral da China, substituindo-o pelo "novo homem socialista" do comunismo, Xi tem cada vez mais empenhadamente pintado o Partido como herdeiro e sucessor de um império chinês de 5 mil anos de história, posto abaixo pelo ocidente saqueador, escreve Graham Allison, autor de Destined for War: Can America and China Escape Thucydides’s Trap? Destinado à Guerra: EUA e China podem escapar da Armadilha de Tucídides?]. Assim o Partido evocou humilhações passadas nas mãos de Japão e do Ocidente, "para criar um senso de unidade que teria sido quebrada, e para definir uma identidade chinesa em contradição fundamental com a modernidade norte-americana".



Por fim, Xi prometeu tornar a China novamente forte. Acredita que militares "capazes de combater e de vencer guerras" são essenciais para realizar todos os demais itens que compõem o "rejuvenescimento" da China. Os EUA têm mais 'estrutura' militar que a China, mas Moscou tem armas tecnologicamente melhores – mas a China também já se aproxima nesse quesito, rapidamente, do Ocidente. A cooperação estratégica direta entre as forças armadas de China e Rússia (a China estava atrás da Rússia tanto militarmente como politicamente) ficou evidente no recente episódio de guerra informacional de EUA e Grã-Bretanha – Skripal e armas químicas na Síria – contra a Rússia. Atuou como fator de contenção contra a ação militar que os EUA tomassem contra qualquer dos dois estados.



Em Washington há – diferente de Pequim – várias vozes tentando definir o modo como os EUA devem interagir com a China. Trump é o que fala mais alto, mas também há ideólogos a exigir um reset fundamental nos termos do comércio e dos direitos da propriedade intelectual. Mas os militares de EUA também dizem claramente que os EUA têm de manter a hegemonia militar na região do Pacífico Asiático e que não se pode permitir que a China 'desloque' os EUA. Mas, sim, há rara unanimidade em Washington – entre especialistas dos 'think-tanks' e também entre os dois principais partidos políticos – quanto a um ponto, e só quanto a esse ponto: que a China seria a ameaça 'Número Um' contra a ordem global 'baseada em regras' liderada pelos EUA... e que teria de ser submetida e detida.



Mas qual, dentre os objetivos da China delineados acima – faria pensar que os EUA poderiam 'submeter' sabe-se lá como, a China ou, ainda mais grave, que poderiam 'detê-la' – sem ir à guerra?



Em termos realistas, Xi pode fazer várias pequenas concessões que satisfaçam Trump (i.e. em questões de propriedade e propriedade intelectual), e lhe deem meios para declarar uma 'vitória' (outra vez, para 'dar uma de Clinton'), e assim ganhar alguns anos de gelada paz econômica, enquanto os EUA continuam a acumular deficit sobre deficit da balança comercial e no orçamento. Mas, ao fim e ao cabo, os EUA terão de decidir: ou rendem-se à realidade, ou correm os riscos de uma recessão, no melhor dos casos, ou de uma guerra, no pior.



É projeto antecipadamente gorado, seja economicamente seja geopoliticamente, principalmente porque os que dizem conhecer Xi parecem convencidos de que, além de querer repor a China no posto de 'maior player da história do mundo', Xi também aspira a ser o governante que, afinal reunifica a China: incluindo não só Xinjiang e o Tibete na área central, mas também Hong Kong e Taiwan. Poderão os EUA absorver culturalmente a ideia de o 'democrático' [estado insular] Taiwan ser unificado militarmente à China? Trocariam isso por uma solução na 'Coreia do Norte'? Não parece provável.*******

Postar um comentário