sábado, 8 de julho de 2017

MULTAS DA LAVA JATO NÃO SÃO DINHEIRO "RECUPERADO", MAS APENAS MAIS UMA FACETA DA DESTRUIÇÃO DE EMPRESAS, NEGÓCIOS, PROJETOS E OBRAS NO BRASIL.

.
Por Mauro Santayana - 07/07/2017

O sr. Deltan Dalagnoll e certas emissoras de televisão continuam afirmando, nos ataques ao suposto "retrocesso" no contexto da Operação Lava Jato, com  a redistribuição administrativa do pessoal da Polícia Federal envolvido com essa operação, que ela teria recuperado 1 bilhão de reais apenas nos ultimos 10 dias, em flagrante tentativa de  confundir a população.


Dinheiro recuperado é aquele devolvido de contas na Suíça, por exemplo - e nesse sentido, a Operação Lava Jato não "recuperou" mais do que algumas centenas de milhões de reais. 


Dinheiro de multas punitivas, extorquidas por meio de acordos de leniência, não é dinheiro "recuperado" para a sociedade.



Mas apenas mais uma forma, impiedosa, destrutiva, de se "esterilizar" e retirar, da economia real, recursos fundamentais, em um quadro recessivo, de empresas, empregos, projetos e programas que têm sido arrebentados pela justiça nos últimos três anos, acarretando um prejuízo, para a nação, dezenas de vezes maior do que aquele que supostamente foi desviado em corrupção.


São essas obras que deveriam ser urgentemente recuperadas e que, depois que cessar a atividade - se isso vier a ocorrer um dia - da verdadeira bomba de neutrons da Operação Lava Jato, nunca mais retornarão. 

É incrível como, a cada vez que se toma, ou alguém diz que vai tomar alguma medida que envolva essa operação, certa mídia e cewrtos procuradores  insistem em tratá-la, direta e indiretamente, como uma Vaca Sagrada, a última limonada do deserto, perfeita,  intocável e impoluta como as vestes de Deus.


A Operação Lava Jato, é preciso que se diga de uma vez por todas, pode - e deve, sempre que necessário - pelo menos enquanto formos, ainda, oficialmente, uma democracia - ser criticada por qualquer cidadão brasileiro e por outras instâncias da estrutura do Estado e da República, quando não por veículos e profissionais de imprensa que não queiram, com relação a ela, agir apenas como vacas de presépio. 


Ela está repleta, da acusação à "investigação" passando pelas delações premiadas e condenações, de erros judiciais que terão de ser corrigidos pelo Judiciário no devido tempo.

E não merece, até mesmo por uma questão de isonomia, ser tratada de forma especial ou diferente de outras operações em execução pelo Ministério Público e pela Polícia Federal.

Até mesmo - como se não bastassem suas absurdas e nefastas consequências econômicas para o país - porque os juízes, procuradores e policiais que não tomam parte dela - nem fazem palestras ou recebem homenagens devido à espetaculosa e fabricada notoriedade dessa operação - não se encontram - nem funcionalmente, nem profissionalmente - abaixo daqueles que a compõem. 
Postar um comentário