sábado, 24 de junho de 2017

Ministério Público gasta R$ 13 milhões em iPhone 6 e celulares para servidores

DCM - Postado em 24 de junho de 2017
Ministério Público Federal abriu um pregão eletrônico para resolver algumas questões que estavam incomodando: o edital “tem como objetivo o atendimento à crescente demanda por serviços corporativos disponibilizados nos sítios institucionais e também outros órgãos, tais como: correio eletrônico institucional, serviço de mensagem instantânea, nuvem de dados corporativa, dentre outros”. No momento da abertura, o MPF supostamente esperava gastar R$ 2 milhões em equipamento. Porém, parece que tudo escalou de uma maneira assustadora.
Traduzindo o que foi escrito, já que o linguajar utilizado em editais nem sempre favorece a leitura de todos, o MPF buscava comprar equipamentos eletrônicos de alguma operadora para poder trocar emails, mensagens de textos (seja WhatsApp ou SMS), utilizar a nuvem para armazenar arquivos e “outros serviços”.
Atualização: recebemos a seguinte mensagem, de uma suposta servidora do MPF: “Sou servidora do MPF e nós não recebemos celulares funcionais. Os celulares são apenas para os membros , os Procuradores da República. Nós, servidores, na verdade, não concordamos com essa compra e estamos há 10 anos sem reajuste, recebendo exatamente o mesmo salário”.
Para isso, o Ministério Público Federal estabeleceu supostamente R$ 2 milhões para comprar 300 acessos móveis de categoria 1, 250 acessos de categoria 2, 150 USB e 200 cartões SIM para iPad. Novamente, traduzindo: 300 iPhone 6 e 250 Sony Xperia ou Moto G para os servidores realizarem serviços corporativos.
Contudo, ao final do pregão eletrônico, que foi vencido pela Claro, o MPF acabou contratando os planos e equipamentos por mais de R$ 13 milhões, como indicou o GuardianDF. A assinatura do edital é do pregoeiro Gilson Jorge Teles Marinho.
Sobre a escolha dos 300 aparelhos iPhone 6, o MPF declarou o seguinte no pregão: “a opção por dispositivos do fabricante Apple (iPhone 6 ou superior) se deu em função do parque já existente, garantindo que o investimento, as pesquisas e as implementações já realizadas permaneçam incorporadas ao patrimônio, tangível e intangível da instituição, além de garantir a entrega de serviços já familiares aos usuários e com níveis de segurança satisfatórios”.
(…)
Postar um comentário