terça-feira, 21 de março de 2017

Eduardo Guimarães fala de arbitrariedades da PF em condução coercitiva

edu.jpg
.
Jornal GGN - 21/03/2017 - 12:38

Levado em condução coercitiva por agentes da Polícia Federal na manhã desta terça (21). O blogueiro Eduardo Guimarães deixou a superintendência da PF na Lapa, em São Paulo, por volta das onze da manhã e reclamou das arbitrariedades da ação da polícia. 
 
“Eu não entendi e meus advogados não entederam a razão da condução coercitiva.  Não existe uma razão lógica para me trazer obrigado para cá”, afirmou.
 
Ele explicou que a PF queria saber quem teria passado informações sobre a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrida em março do ano passado. Na época, Guimarães noticiou que Lula seria alvo da PF cerca de uma semana antes da operação.
 
“A arbitrariedade é bem clara quando ele é conduzido coercitivamente sem jamais ter sido intimado. A segunda arbitrariedade é a violação do sigilo de fonte”, disse Fernando Hideo Lacerda, advogado do jornalista, que também falou em “perseguição nitidamente política se valendo do processo penal”
 
Guimarães reclamou da apreensão de seus equipamentos de trabalho, afirmando que ela viola a atividade jornalística. Ele também afirma que a decisão da 13ª Vara Federal de Curitiba, do juiz Sérgio Moro, cita que Guimarães não seria jornalista e por isto não estaria beneficiado pelo direito ao sigilo de fonte. “Isso é um equívoco e um desconhecimento das leis do país”, disse.
 
Veja mais abaixo, em vídeo dos Jornalistas Livres:
 
 
Postar um comentário