sábado, 25 de fevereiro de 2017

Como Temer e Padilha caíram na armadilha de Eduardo Cunha



Por Andrei Meireles - no site Os Divergentes - fevereiro 24, 2017, 23:17

Lúcio Bolonha Funaro. Entre os investigadores federais, esse nome dispensa apresentação. Antes mesmo da nova lei que regula a delação premiada, ele foi um delator premiado no escândalo do Mensalão.

E o que foi mesmo que ele delatou lá? De acordo com procuradores, mais do que revelações, ele ajudou a desvendar o caminho das pedras.
Lúcio Funaro é múltiplo. Doleiro, craque nas artimanhas no mercado financeiro, destemido, e uma espécie de alma gêmea de Eduardo Cunha nos métodos de operação.
Um sujeito com esse perfil não seria um mero estafeta de Eliseu Padilha.

Descarta-se, portanto, a versão de que ele foi portador de algum documento.
Mas, nesse caso, nem o óbvio é convincente.
A questão não é ele ter levado o dinheiro. A questão é o caminho tortuoso da entrega dessa grana.
Vamos lá:
  • — Não há motivo plausível para a Odebrecht, com seu estruturado departamento de propina, ter optado por um modo tão amador para um pagamento dessa envergadura.
  • – Quem conhece como a dobradinha entre Eduardo Cunha e Lúcio Funaro funcionava ri quando se fala da possibilidade de eles terem usado esse percurso para disfarçar algum pagamento de propina.
  • – Por algum motivo, o pacote transitou pelo escritório de José Yunes, amigo de Michel Temer da vida inteira.
  • – Na interpretação de quem conhece esse jogo, quem deu, intermediou e operou o pagamento ali quis carimbar a entrega.
São profusas as digitais de Eduardo Cunha. Isso também pouco importa hoje. O relevante é que Michel Temer e Eliseu Padilha, parceiros de quem Cunha desconfiava de que algum dia pudessem traí-lo, seguiram o seu script.
Também deixaram suas digitais.
Cunha agora cobra de Temer a conta por ele e Lúcio Funaro terem caído na Lava Jato.
Essa conta assombra Brasília. A dúvida é sobre quem vai pagá-la.
Pelo desejo deles, nós, cidadãos e contribuintes.
Tô fora.

Postar um comentário