terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Democratas choramingam, mas Trump tem apoio da maioria. Por Heloisa Villela

Captura de Tela 2017-01-31 às 12.33.47
Wall Street chora
por Heloisa Villela, de Nova York - no Viomundo - 31/01/2017

Donald Trump está fazendo exatamente o que prometeu e tem o apoio da maioria da população para barrar, nos aeroportos, imigrantes de países de maioria muçulmana. Mesmo que isso signifique bater a porta na cara de refugiados.
Aqueles que não têm para onde ir porque seus países foram intensamente bombardeados e destruídos pelos Estados Unidos, com uma contribuição decisiva do Nobel da Paz Barack Obama.
Os liberais americanos, que perigo!

Chuck Schumer é senador democrata do estado de Nova York há 18 anos. Dizem, nos bastidores, que tem a chave do cofre. É o contato direto com o dinheiro que Wall Street deposita na “causa” democrata.
Neste fim de semana ele reuniu um grupo de muçulmanos para denunciar a xenofobia de Trump e as lágrimas rolaram. O presidente não deixou passar em branco. Disse que quer o nome do professor de teatro de Schumer. O senador — e boa parte dos eleitores de grandes cidades do país — acusou Trump de ferir a Constituição com seu preconceito declarado.
Mas, é bom deixar claro. Trump TEM o apoio da maioria, o que uma pesquisa divulgada pouco mais de três dias após a divulgação da nova política deixou claro. Segundo a Universidade Quinnipiac, 48% dos entrevistados dão apoio às ordens executivas de Trump que barram os estrangeiros e 42% são contra.
A divisão evidenciada na eleição presidencial se repete agora: nos grandes centros, a população é contra. No interior, a favor. Trump perdeu nas grandes cidades, mas levou o resto.
É no mínimo curioso ver políticos e liberais, agora, reclamando que o país está colocando em risco o chamado “due process”, o devido processo legal. Não vi nenhum deles gritando quando Obama mandou matar Osama bin Laden sem o tal “due process” e ainda declarou que tinha feito justiça.
Em português seria um justiçamento. Execução sem direito a processo. É a realidade, nas ruas, para muitos afroamericanos, como demonstra a proliferação de flagrantes capturados por telefones nos últimos dois anos.
Como explicar um contingente tão grande da população americana dando apoio à xenofobia declarada de Trump? A situação econômica por si só e o desemprego não contam a história toda.
Desde o dia 11 de setembro de 2001 a televisão não para de martelar na tecla do terrorismo. É uma campanha constante, que descontextualiza os fatos. Ninguém analisa as causas, o envolvimento dos EUA na fabricação dos conflitos, os bombardeios que exacerbam a situação, a construção desenfreada de bases militares mundo afora, etc. Não.
Só o que se fala, mostra e discute é o perigo terrorista. Como se os terroristas brotassem da terra por geração espontânea. E tome medo. Espalhar o pavor é fácil. Aparentemente, lucrativo também. Rende pontos no ibope, vende-se mais armas e equipamentos militares, forma-se o caldo propício para apoiar exatamente essa política xenofóbica.
O partido democrata solapou a única oportunidade que tinha, em muitas décadas, de oferecer uma alternativa um pouco mais humanista a toda essa receita suicida.
Não era um candidato perfeito, mas era um contraponto claro a Donald Trump. Mas a máquina dos Clinton não permitiu a vitória do senador Bernie Sanders e lá se foi Donald Trump rumo à reta final, com a garantia de que tornaria “seguros” os apavorados americanos.
Não preciso repetir que são ataques de cidadãos americanos mesmo, dentro do país, que mais matam por aqui. Nem é preciso bola de cristal para prever que os liberais e a mídia continuarão choramingando a perda do poder. Mas não vão se voltar para as raízes dos problemas, nem denunciar as ameaças reais que o governo Trump representa para os Estados Unidos e o mundo.
Postar um comentário