PT e PCdoB anunciam aliança para construir 'novo futuro para o Rio de Janeiro'

UNIÃO
Candidata ao governo fluminense, Marcia Tiburi terá como vice o vereador comunista de Niterói Leonardo Giordano. Anúncio da união dos dois partidos no Rio se dá após confirmação da aliança nacional

por Redação RBA publicado 06/08/2018
PT e PCdoB
Lindbergh (à esq.), Jandira, Marcia Tiburi e Leonardo Giordano comemoram união no Rio de Janeiro

Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (6), o PT e o PCdoB apresentaram os candidatos da chapa às eleições no Rio de Janeiro, anunciando oficialmente a união das duas legendas no estado. A candidata ao governo fluminense Marcia Tiburi, pelo PT, terá como vice o vereador comunista de Niterói Leonardo Giordano, que abriu mão de disputar o posto. O senador Lindbergh Farias tentará a reeleição.
“É recorrente e sempre muito bem vinda unidade da esquerda (no caso de PT e PCdoB) que não tem medo de se unir”, disse Marcia. Dirigindo-se ao vice em sua chapa, ela o convidou a “construir um novo futuro para o Rio de Janeiro, reconstruir o estado, renovar a esperança do Rio com emprego e garantia de direitos a todas as pessoas, o que envolve segurança, educação e saúde”.

O anúncio oficial da união entre os dois partidos no Rio aconteceu após a confirmação da  aliança nacional entre PT e PCdoB na noite de domingo. A candidata ao governo estadual propôs que PT e PCdoB façam “uma 'ressignificação' da política na vida das pessoas”. Segundo ela, a ideia é fazer uma campanha que explique à população o fato de que “toda linguagem é política e o descaso do Estado com as pessoas é político”.
Leonardo Giordano destacou a unidade da esquerda, mas ressalvou que a intenção era de que ela fosse mais ampla, “para enfrentarmos um momento em que o Lula está preso, em que a democracia está ameaçada e os direitos sociais estão sendo atacados”. Nessa conjuntura, ele lembrou que o Rio de Janeiro está sob intervenção. “É importante que nossos partidos estejam juntos. O pior que pode acontecer no Rio é a eleição dos velhos figurões da política”, afirmou Giordano.
Presente à coletiva e candidata à reeleição para uma vaga na Câmara, a deputada federal Jandira Feghali comentou que “o PCdoB fez um esforço enorme” para uma unidade mais ampla da esquerda. “Infelizmente isso não foi possível.”
A parlamentar destacou que a união dos dois partidos é “potente”, pois soma a capital com a região metropolitana, para enfrentar “partidos que representam o golpe e a ausência de democracia”. A deputada estadual pelo PCdoB Enfermeira Rejane também participou da entrevista.
Lindbergh Farias disse que a união do ex-prefeito paulistano Fernando Haddad com Manuela D’Ávila à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva “traz uma mensagem de renovação”. Segundo Marcia Tiburi , Manuela “engrandece a luta da esquerda e das feministas. "É a junção da luta de classes com a luta das mulheres”, explicou. “Lênin falava que a luta de classes é a luta das mulheres.”
Sobre Haddad, ela comentou: “Neste momento é necessário que ele seja o vice na chapa do Lula. Em outro momento histórico, que ele seja também o presidente da República. Mas nesse momento nosso presidente será Luiz Inácio Lula da Silva”. 
Lindbergh afirmou acreditar que a esquerda pode eleger dois senadores na eleição de outubro no estado: ele próprio e o candidato do Psol, Chico Alencar, atualmente deputado federal. “Somos só dois candidatos. A direita tem Flávio Bolsonaro (PSL), Cesar Maia (DEM) e Eduardo Lopes (PRB).”

Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho