Comunidades da Baixada Fluminense: retrato da volta da extrema pobreza

RETROCESSOS
Moradores de Parque João e de Jonas Godin vivem de perto desemprego e iminência da fome. Na base dessa pirâmide de desassistência está a Emenda Constitucional que congela investimentos sociais por 20 anos

por Redação RBA publicado 06/08/2018

TVT/REPRODUÇÃO
Extrema pobreza
Pesquisador afirma que, desde 2017, o Brasil vem sendo alertando quanto aos indicativos de agravamento das questões sociais
Com a volta do crescimento da extrema pobreza no Brasil, moradores das comunidades Parque João e Jonas Godin, na Baixada Fluminense, região metropolitana do Rio de Janeiro, denunciam a situação de vulnerabilidade social vivenciada. Divulgado no mês passado, o Relatório Luz 2018, trouxe em dados os desdobramentos do aumento do desemprego e a iminência da fome que ameaça os brasileiros e faz relembrar patamares de 12 anos atrás, quando o país apresentava quase 12 milhões de pessoas nesta situação.
De acordo com o pesquisador Francisco Menezes, coordenador do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), desde 2017 as entidades civis vêm alertando sobre o aumento de indicativos do quadro da fome e a possibilidade do Brasil voltar a fazer parte do Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU). "Agora já não temos mais muitas dúvidas", lamenta Menezes.
A líder comunitária Maria "Chocolate" do Carmo da Silva relata ver de perto a volta desses problemas sociais, com muitos pais indo até ela para buscar ajuda. "Tem famílias que você fica 'apavorada', porque quando você vai levar alguma coisa, chega na casa e vê que o cara não tem nada mesmo", afirma.
A estudante Leydimila Alves da Silva e Silva faz denuncia semelhante. "Às vezes a gente tem um arroz e feijão, às vezes a gente não tem", descreve, explicando que a situação decorre da diminuição dos trabalhos da mãe, que é faxineira e cuida ainda de mais duas irmãs pequenas. 
Na base dessa pirâmide de desassistência, o pesquisador cita a aprovação da Emenda Constitucional 95– que congela investimentos sociais por 20 anos – como um dos principais fatores causadores dessa situação. "Do nosso ponto de vista (a emenda) é inconstitucional, porque ela começa a violar direitos que estão lá no artigo 6º da Constituição e precisamos revogar", alerta Menezes.

Assista à reportagem de Viviane Nascimento


Postagens mais visitadas deste blog

Rosângela Moro já está de malas prontas

Caso de militar réu por estupro abre precedente para punir crimes da ditadura

Nota da defesa de Lula: Novas mensagens reforçam que Lula foi vítima de uma conspiração e de atos ilícitos

VÍDEO, FOTOS: Pelo menos 3 mortos em confrontos antes do clássico do futebol hondurenho