quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Ações contra Marisa Letícia são ‘sociopatas’, diz Guilherme Boulos

Líder do MTST volta a defender eleições diretas e afirma que ataque de João Doria ao grafite se deve à concepção "higienista" do que o prefeito de São Paulo chama de "cidade linda"
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 26/01/2017 19h28, última modificação 26/01/2017 19h44
REPRODUÇÃO/YOUTUBE/TV FOLHA
Guilherme Boulos
"Dissemos e reafirmamos desde o princípio que o golpe não era apenas contra um mandato"
São Paulo – Algumas manifestações, embora pequenas, na porta do hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde a ex-primeira-dama Marisa Letícia está internada após sofrer um acidente vascular cerebral, e comentários em redes sociais são “sinais preocupantes da falta de limite dos cachorros que setores da direita estão soltando” no país. “É lamentável, é chocante que pessoas se manifestem com tal virulência e agressividade diante de alguém que está doente, em coma”, afirma o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos.

No entanto, ele destaca que essa “ofensiva da direita” encontra visível resistência. “Da mesma forma que há comentários perversos, sociopatas, nas redes sociais, em relação ao AVC da dona Marisa, há também muita gente denunciando isso como um absurdo, independentemente de ter simpatia por ela ou pelo Lula.”
Sobre a realização de eleições diretas, Boulos reafirma a tese de que o pleito seria “uma forma de enfrentar a agenda neoliberal aplicada pelo governo golpista”. “Nós temos um governo ilegítimo. Um governo que não foi eleito, que não se reelege, e que por isso pode fazer o que bem entender, sem prestar contas à sociedade, sem pagar preço político”, diz. “A eleição direta pode ser ganha pela direita? É evidente que pode, como pode não ser ganha”, diz Boulos, um dos coordenadores da Frente Povo sem Medo. “Mas mesmo a direita que venha da eleição direta vai ter que submeter um programa à sociedade.”
Está pendente de julgamento, no Supremo Tribunal Federal, uma ação na qual a Clínica Direitos Fundamentais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) defende a tese de que, se o presidente e o vice forem afastados por questões extra-eleitorais (caso do impeachment) depois do segundo ano de mandato, continua a valer o artigo 81 da Constituição, que prevê eleição pelo Congresso Nacional. Mas, se a chapa for cassada pela Justiça Eleitoral (o que pode acontecer em 2017), a eleição é inválida e é cabível a realização de eleição direta. A ação depende da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, para ser colocada em pauta.
Boulos diz também que sua detenção, pela polícia paulista, na semana passada, “não muda absolutamente nada” em sua militância. “Se o objetivo com essa prisão era intimidar, o tiro foi no pé. Dois dias depois, o MTST ocupou a Secretaria Estadual de Habitação de São Paulo. O MTST vai continuar fazendo lutas com igual ou maior intensidade”, promete.
Você escreveu um artigo na Folha de S.Paulo hoje (26), sobre o Brasil atual, onde diz que “a hipocrisia antecede o escárnio” e que “este funciona como antessala da barbárie”. As manifestações contra Marisa Letícia não são mais um exemplo de barbárie?
Sem dúvida. É lamentável, é chocante que pessoas se manifestem com tal virulência e agressividade diante de alguém que está doente, está em coma. Isso vai além da questão de você ter diferença política com alguém. Há uma questão básica de respeito e de humanidade que o ódio semeado pelos setores da direita no país fez obscurecer. Isso são evidentemente sinais preocupantes da falta de limite dos cachorros que eles estão soltando.
Mas não haverá limite para esse estado de coisas?
Se depender da cultura semeada por certos blogs na internet, se depender do grau de agressividade estimulado por setores da grande mídia, caminhamos para a execração, o linchamento público e para a barbárie. Agora, há reações e resistências do outro lado. Você mencionou o artigo que escrevi hoje: eu falei que era a “barbárie ou a revolta”. Então, isso não é um caminho que está definido. Evidentemente é uma preocupante ofensiva de direita, de intolerância no nosso país. Mas ela encontra resistências. Da mesma forma que há comentários perversos, sociopatas, nas redes sociais em relação ao AVC da dona Marisa, há também muita gente denunciando isso como um absurdo, independentemente de ter simpatia por ela ou pelo Lula.
Você leu um artigo do Augusto Nunes, na semana passada, no qual afirma que você é um “agitador”?
Olha, eu não li. Eu não costumo ler o Augusto Nunes. Ele é um escroque.
Segundo ele, “a gravidade do problema habitacional não justifica a tentativa de resolvê-lo na marra, ao arrepio da lei”, como você faz...
Francamente, o Augusto Nunes não tem a menor credibilidade para falar de problemas sociais no país. É uma pessoa com visão elitista, um sujeito que degringolou para isso.  Algum dia ele foi sério, não é? Ele não foi sempre assim. Ele foi ladeira abaixo para um caminho que, na medida em que tem procura no mercado do baixo jornalismo por coisas sensacionalistas, disparatadas, como o que ele diz, ele se adequou à lei de mercado e ofereceu o produto. Não tenho muita disposição de comentar o Augusto Nunes.
Algumas lideranças têm defendido a realização de eleições diretas, mas outras são contra por acreditarem que as diretas só ajudariam a eleger alguém da direita novamente. Qual sua opinião sobre isso?
Acho o seguinte: nós temos um governo ilegítimo no país. Um governo que não foi eleito, que não se reelege, e que por isso pode fazer o que bem entender, sem prestar contas à sociedade, sem pagar preço político. Essa é a gravidade da situação que vivemos. A eleição direta pode ser ganha pela direita? É evidente que pode, como pode não ser ganha. Mas mesmo a direita que venha da eleição direta vai ter que submeter um programa à sociedade. Eu acho muito difícil que alguém que vá para uma eleição dizendo que seu programa é reforma da Previdência e cortar direito trabalhista ganhe eleição no Brasil. É muito difícil. Então, uma eleição direta nesse momento também é uma forma de enfrentar a agenda neoliberal aplicada pelo governo golpista.
Qual sua opinião sobre a questão dos grafites e as ações do prefeito João Doria contra eles em São Paulo?
O Doria entende “cidade linda”, “cidade limpa”, como higienismo. Essa é a concepção de mundo que ele tem. E ele faz isso quando ataca os grafites, mostrando que não tem nenhum apreço pela diversidade cultural – porque para ele cultura é o museu, cultura é o Louvre, um certo tipo de cultura que não é único e sequer é predominante no nosso país. E faz isso também do ponto de vista social. É gravíssimo reeditar o decreto, como feito na semana passada, pra tirar o cobertor de morador de rua. É inadmissível e é parte dessa mesma concepção higienista de cidade.
O que muda na sua prática e militância na área de habitação depois da detenção na semana passada?
Não muda absolutamente nada. Não foi a primeira vez que há um ataque judicial a quem luta. Sequer é a primeira vez que há um ataque judicial a mim, eu respondo outros processos também por atuação no movimento, igualmente descabidos e políticos. E eu temo que não vai ser a última, porque estamos numa escalada de criminalização, de judicialização da política, de tentativa de atacar e desmoralizar o movimento social. Enfim, esse é um cenário preocupante que vivemos no Brasil.
Agora, é importante que, do outro lado, saibam que isso não vai intimidar. Se o objetivo com essa prisão era intimidar, o tiro foi no pé. Dois dias depois, o MTST ocupou a Secretaria estadual de Habitação de São Paulo. O MTST vai continuar fazendo lutas com igual ou maior intensidade.
Como está a situação habitacional em São Paulo hoje?
A situação em São Paulo e na maioria das regiões metropolitanas do país é extremamente grave. Por duas razões. Primeiro porque o programa Minha Casa, Minha Vida, que apresentava alguma alternativa para as pessoas de baixa renda, está absolutamente paralisado, há mais de um ano, sem nenhuma contratação. A política habitacional no Brasil virou crédito imobiliário, desde que o Temer assumiu.
Segundo, porque com o agravamento da crise econômica, da recessão e do desemprego, as pessoas – boa parte dos trabalhadores que pagam aluguel nas cidades – vão ficar sem teto. Se o cara que paga aluguel ficou desempregado, ele vai fazer o quê? Ele não tem mais condições de pagar aluguel. Nós estamos numa situação em que vai aumentar muito o número de pessoas sem moradia e ao mesmo tempo não há a tentativa de uma política nacional que responda a isso. O cenário vai ser de aumento significativo das ocupações no próximo período.
Fora a questão indígena, que está gravíssima também...
Claro, todos os setores. Não dá para esperar nada do (ministro) Alexandre de Moraes. Esse cidadão começar a botar o bedelho na Funai e querer rever demarcação de terras indígenas, isso é um ataque brutal. O ataque está vindo em todos os campos. Nós dissemos e reafirmamos desde o princípio que o golpe não era apenas o golpe contra um mandato. Está sendo um golpe contra os direitos sociais e contra o povo brasileiro e a expressão mais franca de uma ofensiva conservadora no país.
Postar um comentário